Homenagem ao Mestre Suassuna

Aula show do Mestre Ariano Suassuna  em Salgueiro-PE

Fonte: YuoTube

Comentários

Políticos pernambucanos exaltam contribuição de Ariano para raízes culturais do Estado

Arte: NE10

Independente do lado ou da opção partidária, os políticos pernambucanos registraram em vários agradecimentos a contribuição do escritor e dramaturgo Ariano Suassuna, falecido nesta quarta-feira (23), para o enriquecimento da cultura de Pernambuco. Conhecido por ter posições firmes, Ariano sempre se furtou da imparcialidade. Com a política arraigada à biografia, o escritor perdeu o pai, João Suassuna, na Revolução de 1930, no Rio de Janeiro. Nas últimas três eleições presidenciais, ele foi ferrenho apoiador do PT. Mas, por causa da relação familiar com Eduardo Campos, tornou-se defensor entusiasmado do socialista. Ariano é tio de Renata Campos, ex-primeira-dama do Estado.

O governador de Pernambuco, João Lyra, relembrou a última aula-espetáculo dada por Ariano Suassuna, no 24º Festival de Inverno de Garanhuns. Lyra destacou o amor externado pelo professor no palco.

Arte: NE10

“Estive em Garanhuns na última sexta-feira, durante o Festival de Inverno, ocasião em que Ariano Suassuna apresentou uma aula-espetáculo. Mesmo com a saúde frágil, ele externava seu amor por estar num palco, falando para os mais jovens, contando seus causos, histórias de sua vida e do imaginário popular”, rememorou Lyra. O governador também comentou sobre a militância política de Ariano, que era presidente de honra do PSB.

“O bom humor sempre foi sua marca, somada a profundos conhecimentos do imaginário popular e uma inteligência muito acima da média. A obra de Ariano permanecerá eterna na mente de todos nós que convivemos com ele, mas tenho certeza de que também será lembrada e venerada pelos mais jovens e pelas futuras gerações”, afirmou Lyra, que decretou luto oficial de três dias em Pernambuco.

O candidato do PSB ao Senado, Fernando Bezerra Coelho, disse ter recebido a notícia da morte de Ariano com “imenso pesar”. FBC também destacou o engajamento do escritor e o entusiasmo nas campanhas.

“Sertanejo, Ariano sempre foi um grande exemplo para todos nós, de luta, dedicação e fé. Trabalhamos juntos pela primeira vez no governo do saudoso Miguel Arraes e aprendi muito com ambos. Ariano era um homem engajado no campo da política e tantas vezes militamos juntos. Em 2006, quando poucos acreditavam na vitória da Frente Popular, era ele que nos animava, nos entusiasmava. Hoje perdemos um patrimônio cultural. Um amigo e alguém que, mesmo sendo erudito, conhecia como poucos a linguagem popular”, comentou FBC.

Arte: NE10

Paulo Câmara, candidato da Frente Popular ao governo do Estado, também lamentou a perda do escritor.

“Ariano é referência para todos pernambucanos. Nascido na Paraíba, foi na nossa terra que criou raízes e deu frutos, os melhores frutos, saboreados por todos os brasileiros. Defendeu a cultura nacional e nosso oxente, fez o povo rir e refletir com suas obras”, defendeu Câmara, se dizendo honrado por ter atuado como secretário ao lado de Ariano.

Durante a passagem pelo Real Hospital Português, o senador Jarbas Vasconcelos também comentou a defesa apaixonada do mestre Ariano pela arte popular. Jarbas citou um dos momentos considerados inesquecíveis da relação com Ariano.

“Um dos momentos mais emocionantes para mim foi quando encontrei Ariano no aeroporto, não lembro se no do Recife ou no de Brasília. Ele conversou sobre a minha primeira eleição para prefeito do Recife e fez questão de cantar todinho o meu jingle. Foi de arrepiar. Esse era Ariano Suassuna. Vai deixar saudades”, disse o senador.

Para o ex-senador Armando Monteiro Neto (PTB), candidato ao governo do Estado, a morte de Ariano deixa um vazio intelectual.

“Pernambuco chora a perda de Ariano Suassuna: O grande, mestre das palavras e do sentimento mais profundo da alma nordestina. Com a sua partida fica o vazio intelectual, mas, sobretudo, o vazio humano, pela sua imensa capacidade de entender, traduzir e amar os pernambucanos, os nordestinos, os brasileiros”, registrou, em nota, o político.

Segundo o petista Humberto Costa, a partida do escritor é uma perda irreparável para a cultura brasileira, em especial para a nordestina.

“Ele foi, sem dúvida, um dos mais autênticos artistas e escritores que nós já tivemos. Além de ser uma pessoa humana encantadora, era um homem de bem com a vida. Para todos nós, é muito triste viver esse momento. Ele que era o paraibano mais pernambucano que se poderia conhecer. Acho que o Brasil todo hoje chora essa perda porque Ariano representava uma grande unanimidade no nosso país”, declarou Humberto, adiantando que Dilma e Lula poderão estar presentes no sepultamento de Ariano..

Fonte: Blog do Jamildo

 

 

 

 

 

Comentários

Autoridades lamentam morte de Ariano Suassuna

Ariano Suassuna

Lideranças políticas e autoridades da região lamentaram profundamente a morte do escritor Ariano Suassuna, ontem (23), vítima de complicações provocadas por um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Confiram:

“A obra e os ensinamentos deixados pelo escritor nos auxiliam, neste momento, a superar a dor pela sua perda. Ariano foi um ícone da literatura nordestina e brasileira. É com muita tristeza que nos despedimos desse grande mestre” (Rinaldo Remígio/diretor-presidente da Facape).

Ariano Suassuna não era só um artista nacional, era um orgulho para todo Nordestino. Tive a felicidade de conviver um pouco com ele e sua presença sempre foi um sol de alegria em qualquer ambiente. Desaparece o homem, mas sua obra imortal viverá para sempre. Como ele mesmo disse: O homem nasceu para a eternidade, a morte foi um acidente de percurso. Ariano vive, para sempre!” (Fernando Filho/Deputado Federal-PSB)

Acabei de receber a triste notícia de que o nosso mestre Ariano Suassuna nos deixou. O Nordeste e o Brasil estão de luto. A literatura brasileira também. Obrigado mestre pelo grande legado que você nos deixou. A família, aos amigos, aos milhões de fãs, minha solidariedade nessa hora de dor. Ariano Suassuna permanecerá para sempre como uma das maiores referências da nossa cultura. Descanse em paz!” (Gonzaga Patriota/Deputado Federal-PSB)

Foi com imenso pesar que recebi a notícia do falecimento de Ariano Suassuna, um dos maiores expoentes da literatura mundial. Sertanejo, Ariano sempre foi um grande exemplo para todos nós, de luta, dedicação e fé. Trabalhamos juntos pela primeira vez no governo do saudoso Miguel Arraes e aprendi muito com ambos. Ariano era um homem engajado no campo da política e tantas vezes militamos juntos. Em 2006, quando poucos acreditavam na vitória da Frente Popular, era ele que nos animava, nos entusiasmava. Hoje perdemos um patrimônio cultural. Um amigo e alguém que, mesmo sendo erudito, conhecia como poucos a linguagem popular. Que Deus possa confortar os familiares e os milhares de admiradores que ele conquistou mundo afora“. (Fernando Bezerra Coelho/Candidato a senador-PSB/Frente Popular)

“O Auto da Compadecida, sua obra mais conhecida, foi traduzida para vários idiomas e adaptada para o cinema e a TV, levando o imaginário nordestino a públicos distantes. Com o Movimento Armorial, Suassuna buscou uma expressão erudita para as manifestações artísticas populares. Foi um pensador incansável e deixará muita saudade“. (Jaques Wagner/Governador da Bahia)

No campo político, Ariano sempre esteve junto com as forças populares. Com Pelópidas Silveira, Miguel Arraes e Eduardo. Eu tive o privilégio de conviver mais intensamente com ele nos últimos anos e levo comigo muitas mensagens positivas, de bem, de uma pessoa que queria sempre ajudar ao próximo. É uma perda irreparável“. (Paulo Câmara/Candidato a Governador-PSB/Frente Popular)

Pernambuco chora a perda de Ariano Suassuna: O grande, mestre das palavras e do sentimento mais profundo da alma nordestina. Com a sua partida fica o vazio intelectual, mas, sobretudo, o vazio humano, pela sua imensa capacidade de entender, traduzir e amar os pernambucanos, os nordestinos, os brasileiros. Hoje é um dia muito triste para mim“. (Armando Monteiro Neto/Candidato a Governador-PTB/Coligação Pernambuco Vai Mais Longe).

Fonte: Blog do Carlos Britto

 

Comentários

Governador João Lyra Neto decreta luto de três dias pela morte de Ariano Suassuna

morte ariano suassuna

O governador de Pernambuco, João Lyra Neto, decretou luto de três dias pela morte do escritor e dramaturgo Ariano Suassuna, 87 anos, ocorrida ontem (23) no Recife.

Ex-governador do estado e candidato a presidente da República, Eduardo Campos foi mais um a lamentar a perda de Suassuna, a quem tinha muito mais que um aliado político. “O Brasil perde um dos maiores expoentes de sua cultura. E eu perdi um amigo. Ele deixará uma grande lacuna em minha vida”, declarou, pelas redes sociais.

Fonte: Blog do Carlos Britto

 

Comentários

Ubaldo, Rubem Alves e Ariano

ariano suassunaEm menos de uma semana, o Brasil empobreceu 100 anos na literatura. Perdeu, primeiro, João Ubaldo Ribeiro, depois Rubem Alves e em seguida Ariano Suassuna. Três monstros sagrados, três estilos antagônicos, três gênios.

Ubaldo nos enviúva com suas adoráveis prosas, Rubem com suas crônicas sobre a beleza da vida e do amor; o mestre Ariano com o seu canto sertanejo que ganhou o mundo pela sua obra síntese O Auto da Compadecida. Aos domingos, no caderno de literatura de O Globo, João Ubaldo Ribeiro nos brindava com estórias e causos do quotidiano.

Leitura obrigatória e indispensável. “Faço tudo que me dá na cabeça, não quero saber de limitações. Eu não pequei contra a luxúria. Quem peca é aquele que não faz o que foi criado para fazer”, dizia Ubaldo. Rubem Alves, o mais doce e amoroso dos três, deixou frases célebres sobre a vida.

“A vida não pode ser economizada para amanhã. Acontece sempre no presente”, dizia. “Todo jardim começa com uma história de amor, antes que qualquer árvore seja plantada ou um lago construído é preciso que eles tenham nascido dentro da alma”, eis outra pérola dele. Rubem Alves escrevia para o homem, a mulher, a criança. Seus textos eram primorosos.

Sobre a comemoração de mais um aniversário de vida deixou esta outra pérola: “A celebração de mais um ano de vida é a celebração de um desfazer, um tempo que deixou de ser, não mais existe. Fósforo que foi riscado. Nunca mais acenderá. Daí a profunda sabedoria do ritual de soprar as velas em festa de aniversário. Se uma vela acesa é símbolo de vida, uma vez apagada ela se torna símbolo de morte”.

Já Ariano Suassuna, por fim, deixa um conjunto de frases de arrepiar: “O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso”. Arte pra mim, diz ele, “não é produto de mercado. Podem me chamar de romântico. Arte pra mim é missão, vocação e festa”.

Sobre a vida, escreveu: ‘Tenho duas armas para lutar contra o desespero, a tristeza e até a morte: o riso a cavalo e o galope do sonho. É com isso que enfrento essa dura e fascinante tarefa de viver.’

Por fim, para os que choram de saudade dele encontrei na sua biografia o seu recado: “Quando eu morrer, não soltem meu cavalo nas pedras do meu pasto incendiado: fustiguem-lhe seu dorso alardeado, com a espora de ouro, até matá-lo”.

PARTIU O MINISTRO – Não tivesse partido para a eternidade, o mestre Ariano certamente seria o ministro da Cultura de um eventual Governo Eduardo. Esta foi a frase mais repetida, ontem, entre os aliados e os que torcem pelo sucesso do ex-governador na corrida presidencial. Mesmo com a idade já avançada, Ariano certamente ainda daria uma grande contribuição ao Brasil ocupando espaço na Esplanada dos Ministérios.

Fonte: Blog do Magno Martins

Comentários

O adeus dos fãs e famliares a Suassuna no Palácio

Caixão com corpo do escritor chegou à sede do governo estadual por volta das 22h55 (Foto: Vitor Tavares/G1)

O corpo do escritor Ariano Suassuna começou a ser velado no Palácio do Campo das Princesas, no Centro do Recife, ainda na noite de quarta (23). Por volta das 22h55, o caixão foi recebido por familiares, amigos e políticos, que participaram de uma celebração religiosa. As portas do palácio, que é sede do governo de Pernambuco, só foram abertas ao público por volta das 23h30, meia hora após o previsto inicialmente. Ariano morreu às 17h15 da quarta, vítima de uma parada cardíaca. Ele estava internado desde a noite de segunda (21) no Hospital Português, onde foi submetido a uma cirurgia na mesma noite após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico.

Além dos familiares, muitos vestidos com a camisa do Sport Club do Recife, time de coração de Ariano, políticos estiveram na cerimônia realizada pelo frei franciscano Aloísio Fragoso. O ex-governador de Pernambuco e candidato à presidência, Eduardo Campos; o atual governador do estado, João Lyra Neto, e o candidato ao Senado e ex-ministro da Integração, Fernando Bezerra Coelho, além de parentes carregaram o caixão para o hall principal do Palácio. Ariano foi secretário de Cultura de Pernambuco e também assessor especial do governo de Campos.

Para a celebração familiar, o caixão foi coberto com as bandeiras da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), onde ele foi professor do curso de Letras, do Estado de Pernambuco e do Brasil. Durante a celebração religiosa, frei Aloísio relembrou a trajetória do dramaturgo e destacou a religiosidade de Ariano. ‘Lá em cima, Nossa Senhora pedirá que ele represente a peça O Auto da Compadecida’, afirmou.
Corpo de Ariano Suassuna chega ao Palácio do Campo das Princesas, Centro do Recife (Foto: Vitor Tavares/G1)

Na cerimônia, Germana Suassuna, neta de Ariano, leu um texto em homenagem ao avô. Ela destacou que o escritor viveu os últimos dias da forma que queria, no palco. Na última sexta-feira, ele apresentou sua última aula-espetáculo, no Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), no Agreste pernambucano. Germana também destacou o apoio que todos os familiares darão a Zélia Suassuna, agora viúva de Ariano. ‘Meu avô foi o homem mais feliz do lado dela. E ela também foi a mulher mais feliz. [...] Meu avô é simplesmente imortal’, disse.

Na porta do Palácio, a fila de admiradores, que começou a se formar por volta das 23h, tinha muitos amigos e também fãs da figura pública de Ariano. O policial George Nascimento e sua mãe, Nelma Cristina, encontraram o escritor apenas uma vez na vida, mas guardaram o momento da lembrança. ‘Foi numa igreja. Vou sempre lembrar da pessoa que ele foi, um exemplo de ser humano’, comentou Nelma.

Amiga da família Suassuna e vizinha de rua de Rita Suassuna, mãe de Ariano, a matemática Jeanine Japiassu relembrou os tempos de adolescência. ‘Conheço ele desde os 13 anos de idade, quando ele já era professor da minha irmã. Ele é e sempre será um ícone, uma pessoa que fez arte, criou movimentos como nenhuma outra aqui no Brasil. Agora, ele deixa um vazio”.

A previsão é que o velório aconteça durante toda o dia e só termine às 15h desta quinta (24). O corpo será enterrado no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, Grande Recife, por volta das 16h.
Caixão foi coberto com as bandeiras da Universidade Federal de Pernambuco, onde ele foi professor do curso de Letras, do Estado de Pernambuco e do Brasil (Foto: Vitor Tavares/G1)

Fonte: Blog do Magno Martins

Comentários

Matheus Nachtergaele escreveu carta para Ariano

Foi divulgada, ontem, uma carta que Matheus Nachtergaele escreveu para Ariano Suassuna, ressaltando a importância do personagem “João Grilo” em sua vida. O ator interpretou o papel no ano 2000 no filme “O Auto da Compadecida”, baseado na obra do escritor paraibano.

A carta foi escrita antes da morte de Suassuna e enviada ao jornal Diário de Pernambuco.

Leia na íntegra:

“Carta para Ariano,

Quem te escreve agora é o Cavalo do teu Grilo. Um dos cavalos do teu Grilo. Aquele que te sente todos os dias, nas ruas, nos bares, nas casas. Toda vez que alguém, homem, mulher, criança ou velho, me acena sorrindo e nos olhos contentes me salva da morte ao me ver Grilo.

Esse que te escreve já foi cavalgado por loucos caubóis: por Jó, cavaleiro sábio que insistia na pergunta primordial. Por Trepliev, infantil édipo de talento transbordante e melancólicas desculpas. Fui domado por cavaleiros de Sheakespeare, de Nelson, de Tchekov. Fui duas vezes cavalgado por Dias Gomes. Adentrei perigosas veredas guiado por Carrière, por Büchner e Yeats. Mas de todos eles, meu favorito foi teu Grilo.

O Grilo colocou em mim rédeas de sisal, sem forçar com ferros minha boca cansada. Sentou-se sem cela e estribo, à pelo e sem chicote, no lombo dolorido de mim e nele descansou. Não corria em cavalgada. Buscava sem fim uma paragem de bom pasto, uma várzea verde entre a secura dos nossos caminhos. Me fazia sorrir tanto que eu, cavalo, não notava a aridez da caminhada. Eu era feliz e magro e desdentado e inteligente. Eu deixava o cavaleiro guiar a marcha e mal percebia a beleza da dor dele. O tamanho da dor dele. O amor que já sentia por ele, e por você, Ariano.

Depois do Grilo de você, e que é você, virei cavalo mimado, que não aceita ser domado, que encontra saídas pelas cercas de arame farpado, e encontra sempre uma sombra, um riachinho, um capim bom. Você Ariano, e teu João Grilo, me levaram para onde há verde gramagem eterna. Fui com vocês para a morada dos corações de toda gente daqui desse país bonito e duro.

Depois do Grilo de você, que é você também, que sou eu, fui morar lá no rancho dos arquétipos, onde tem néctar de mel, água fresca e uma sombra brasileira, com rede de chita e tudo. De lá, vê-se a pedra do reino, uns cariris secos e coloridos, uns reis e uns santos. De lá, vejo você na cadeira de balanço de palhinha, contando, todo elegante, uma mesma linda estória pra nós. Um beijo, meu melhor cavaleiro.

Teu,

Matheus Nachtergaele”

Comentários

Pernambucanos acordam cedo para se despedir de Ariano

O corpo do dramaturgo Ariano Suassuna está sendo velado, na manhã desta quinta-feira (24), no Palácio do Campo das Princesas, sede do governo estadual na capital pernambucana. O velório, iniciado por volta das 23h30 da última quarta (23), ficou aberto durante toda a madrugada, com parentes, amigos e fãs se despedindo. Área em frente ao Palácio foi interditada para os carros, prevendo a circulação do público ao longo do dia.

Antes das 7h desta quinta, muita gente já passava pelo local, a caminho do trabalho, para homenagear o mestre. Logo cedo, o movimento estava tranquilo. O caixão foi coberto por bandeiras do Sport, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), de Pernambuco e do Brasil.

Trabalhando no bairro de Casa Forte, o auxiliar administrativo Maycon Anacleto acordou mais cedo para ir ao velório. ‘Ele foi um grande homem. Sempre gostei dos livros dele e dos filmes que fizeram. Ele não nasceu em Pernambuco, mas era pernambucano’, acredita Anacleto.
Trabalhando como operador de telemarketing no Centro do Recife, Félix Gomes fez questão de ir cedo também. ‘Ele é uma lenda da literatura brasileira. Vai fazer muita falta, principalmente para quem gosta da boa literatura’, afirma.

Os torcedores do Sport, time do coração de Ariano, também fizeram questão de comparecer e recordar o torcedor pé quente. ‘Hoje a torcida fica triste. Eu lembro dele na final da Copa do Brasil, quando fomos campeões. Ele dava sorte ao Sport’, acredita o auxiliar de estoque Ricardo Ramos.

Estudante Manoel Aleixo escreve literatura de cordel e diz que se inspira em Ariano Suassuna (Foto: Moema França/G1)

A noite foi longa para os fãs do escritor, como o garçom Severino Júnior. Ele ficou sabendo da morte pela internet e passou no Palácio pela manhã para o velório. Fez questão de ir coberto com a bandeira do Sport. ‘Mal consegui dormir direito. Perdemos Dominguinhos, Reginaldo Rossi, agora Ariano, são três grandes artistas da terra’, diz emocionado.

O estudante Manoel Aleixo, de 18 anos, chegou cedo, também vestido com uma camisa do time. Cordelista há três anos, Manoel diz que Ariano Suassuna foi sua maior inspiração – tanto é que trouxe para o velório uma edição do romance ‘Fernando e Isaura’, que começou a ler na semana passada. ‘Comecei a ler, e vim lendo pelo caminho hoje. Sou cordelista e Ariano foi minha grande inspiração. Ele foi, sem dúvidas, o maior defensor da cultura popular brasileira, é um artista insubstituível’, diz. O estudante, que lê a obra de Suassuna desde os 12 anos, conta que fez da arte do cordel uma maneira de expressar toda o sentimento de gratidão ao artista. ‘É como falei num poema que escrevi ontem. Ariano não morreu. Se eu quiser me encontrar com ele, eu pego um livro e leio, ele vai estar lá e nunca vai morrer, porque artistas assim não nos deixam, eles realmente ficam no nosso coração’, fala.

A assistente de departamento pessoal Rosana Bernardo aproveitou a chance que teve antes de ir pro trabalho para prestar homanagens a Ariano. ‘Ele teve muita bravura nessa fase. Tem muitas obras dele que não conheço, mas outras tenho familiaridade, como o ‘Auto da Compadecida’. A gente é muito deficiente às vezes de cultura, e hoje quem nos deixa é um grande representante da cultura de pernambuco’, comenta.

Rossana Bernardo passou no velório antes de ir ao trabalho. "A gente é muito deficiente de cultura", afirmou. (Foto: Moema França/G1)

Ariano morreu às 17h15 da quarta (23), vítima de uma parada cardíaca. Ele estava internado desde a noite de segunda (21) no Hospital Português, onde foi submetido a uma cirurgia na mesma noite após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico.

O corpo começou a ser velado no Palácio do Campo das Princesas, no Centro do Recife, ainda na noite de quarta (23). Por volta das 22h55, o caixão foi recebido por familiares, amigos e políticos, que participaram de uma celebração religiosa. Na porta do Palácio, a fila de admiradores começou a se formar por volta das 23h.

A previsão é que o velório aconteça durante toda o dia e só termine às 15h desta quinta (24). O corpo será enterrado no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, Grande Recife, por volta das 16h..

Fonte: Blog do Magno Martins

Comentários

Quadro de saúde de Ariano Suassuna apresenta piora e escritor respira com ajuda de aparelhos

ariano suassuna

A situação do escritor e dramaturgo Ariano Suassuna, 87 anos, piorou. Boletim médico divulgado às 20h desta terça-feira (22) pelo Real Hospital Português (RHP), localizado na área central do Recife, aponta que o estado de saúde dele sofreu uma piora. “Houve um agravamento do quadro clínico e a situação é instável“, diz a nota.

Na noite dessa segunda-feira (21), ele sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) hemorrágico e passou por procedimento cirúrgico. Desde então, Ariano está em coma e respirando com ajuda de aparelhos.

Abaixo, segue a nota oficial assinada pela médica neurocirurgiã Feliciana Castelo Branco:

“O paciente Ariano Suassuna permanece internado na UTI Neurológica do Real Hospital Português, em coma e respirando com ajuda de aparelhos. Houve um agravamento do quadro clínico e a situação é instável, com queda da pressão arterial e pressão intracraniana muito elevada”.

Ariano já havia sofrido um infarto agudo do miocárdio no dia 21 de agosto do ano passado, sendo submetido a um procedimento de cateterismo na Unidade Coronária do RHP no mesmo dia. O escritor passou seis dias internado e teve alta para continuar um tratamento domiciliar. No entanto, ele voltou ao hospital dois dias depois, quando passou por uma arteriografia, devido a um aneurisma cerebral.

Na última sexta-feira (18), o escritor apresentou uma aula-espetáculo no Teatro Luiz Souto Dourado, em Garanhuns, Agreste pernambucano, integrando a programação do Festival de Inverno daquela cidade.

Fonte: Blog do Carlos Britto

 

Comentários

Gonzaga não vê dificuldades para aprovação de projeto que permite parcelamento de multas de trânsito

Gonzaga Patriota3

A aprovação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Federal, do Projeto de Lei 2.690/03 do deputado Wellington Fagundes (PR-MT), que permite parcelamento de multas de trânsito, foi comemorada por Gonzaga Patriota (PSB-PE).

O parlamentar sertanejo lembra que não apenas participou da elaboração do projeto, como ajudou na tramitação do mesmo na Casa.

Acredito que esse PL não precisará passar pelo Plenário da Câmara e seguirá para o Senado”, prevê Gonzaga.

O parlamentar ainda explicou que a matéria pretende padronizar o pagamento de multas em estados e municípios, mas ressalta que não vem para facilitar a vida do infrator. “O projeto mantém a punição, mas dá oportunidade para as pessoas se regularizarem”.

Devolução

Atualmente, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB)/Lei 9.503/97 não possibilita o parcelamento. O projeto mantém a previsão da legislação vigente de permitir o pagamento opcional da multa em parcela única, até a data do vencimento, por 80% de seu valor. De acordo com a proposta, se o infrator pagar a multa e depois ganhar recurso contra a penalidade, terá o valor devolvido. As informações são da assessoria de Gonzaga.

Fonte: Blog do Magno Martins

 

Comentários